RSS

Empresa lança franquias que investem no visual retrô (JA PROVEI E RECOMENDO!)

Empresa lança franquias que investem no visual retrô
 
  1. O empreendedor Márcio Trigueiro se define como um inventor. Proprietário da fábrica Oficina Nostalgia, ele desenvolve produtos com design retrô. Agora, a nova empreitada da empresa é o lançamento de dois modelos de negócio no formato de franquia, a Nostalgia Pit Stop Beer, que é uma bomba de gasolina que produz chope, e o Café Nostalgia  Foto: Divulgação
  2. Já o Café Nostalgia é uma cafeteria de quiosque que tem como ponto alto a decoração: uma Kombi dos anos 1960. O investimento inicial varia entre R$ 70 mil e R$ 100 mil e, por mês, é cobrado um taxa de royalties de 10% e uma taxa de marketing de 5% sobre o faturamento  Foto: Divulgação
  3. O Nostalgia Pit Stop Beer, que consiste em um carrinho de chope estilizado, possui duas unidades, uma própria, em Natal, e outra franqueada, no Recife. Para se tornar um franqueado, é preciso investir R$ 12 mil  Foto: Divulgação
  4. O design vintage, que no caso do Nostalgia Pit Stop Beer e do Café Nostalgia remetem aos anos 1960 e 1950, é uma tendência em diversos segmentos   Foto: Divulgação
O empreendedor Márcio Trigueiro se define como um inventor. Proprietário da fábrica Oficina Nostalgia, ele desenvolve produtos com design retrô. Agora, a nova empreitada da empresa é o lançamento de dois modelos de negócio no formato de franquia, a Nostalgia Pit Stop Beer, que é uma bomba de gasolina que produz chope, e o Café Nostalgia  Foto: Divulgação

O empreendedor Márcio Trigueiro se define como um inventor. Proprietário da fábrica Oficina Nostalgia, ele desenvolve produtos com design retrô. Agora, a nova empreitada da empresa é o lançamento de dois modelos de negócio no formato de franquia, a Nostalgia Pit Stop Beer, que é uma bomba de gasolina que produz chope, e o Café Nostalgia

Fonte: http://invertia.terra.com.br/empreendedor/fotos/0,,OI223794-EI19589,00-Empresa+lanca+franquias+que+investem+no+visual+retro.html?fb_action_ids=447450021972893&fb_action_types=og.likes&fb_source=aggregation&fb_aggregation_id=246965925417366

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 06/10/2012 em Uncategorized

 
Imagem

Therezópolis Ebenholz

Therezópolis Ebenholz

momento fotolog: SUA NEGRA DELÍCIA

Fonte: http://www.brejas.com.br/cervejas/brasil/therezopolis-ebenholz/

 

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 06/10/2012 em Uncategorized

 

Mercado artesanal de cerveja planeja crescer 13 vezes em 10 anos

O aumento da renda e as mudanças nos hábitos de consumo dos brasileiros devem fazer com que o mercado de cervejas artesanais cresça 13 vezes no país na próxima década.

Em 2011, a produção total de cervejas no Brasil chegou a 13,3 bilhões de litros de acordo com o Sicobe, sistema de medição da Receita Federal.

Dados da Associação Brasileira de Bebidas (Abrabe) mostram que, deste total, apenas 0,15% são produtos feitos por microcervejarias. A expectativa da associação, porém, é que em dez anos a participação suba para 2%.

Festival de cervejas artesanais Beer Experience

Foto 1 de 10 – Cervejaria Invicta, de Ribeirão Preto (SP), lança sete novos rótulos na Beer Experience Divulgação

O Brasil possui, atualmente, cerca de 200 microcervejarias, a maioria localizada nas regiões Sul e Sudeste. Cidades como Ribeirão Preto e Piracicaba, no Estado de São Paulo, e Curitiba, no Paraná, vêm se tornando polos de produção das cervejas artesanais, diz o sommelier de cervejas André Cancegliero.

Cancegliero é responsável pelo festival Beer Experience, realizado nesta sexta-feira (5) e neste sábado (6) na capital paulista. O objetivo do evento, que reúne 35 expositores, é justamente atrair novos consumidores.

“O que mais prejudica a cultura cervejeira no Brasil é a falta de conhecimento. O brasileiro conhece muito pouco sobre cerveja. Consome basicamente o tipo pielsen, que é apenas uma entre as cerca de 180 variedades existentes no mundo”, diz.

Preço alto ainda afasta consumidor

As microcervejarias são pequenas indústrias, a maioria de origem familiar, que produzem no máximo cinco milhões de litros por ano. As cervejas costumam ser fabricadas com ingredientes especiais e contêm pelo menos 80% de malte. Para efeito de comparação, nas cervejas pilsen, as mais consumidas no país, o teor médio é de 5,3%.

O preço alto, diz o sommelier, também prejudica o segmento. A maior parte da matéria-prima usada na fabricação de cervejas arsenais, como malte, lúpulo e fermento, é importada.

“Isso faz com que a cerveja artesanal seja de três a quatro vezes mais cara”, calcula Cancegliero.

Evento traz mais de 300 rótulos nacionais e importados

Mais de 300 rótulos, nacionais e importados, serão apresentados no Beer Experience. Entre as nacionais está a Taperebá Witbier, fabricada pela Amazon Beer, de Belém (PA). Outra cerveja nacional apresentada no evento será a Berthô, feita com castanha do Pará. O produto é fabricado pela Cervejaria Colorado, de Ribeirão Preto (SP).

Entre os produtos internacionais, estarão cervejas belgas, escocesas e italianas. Todos os produtos serão vendidos com descontos que chegam a 30%.

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 05/10/2012 em Artesanais, Artigos, Degustando, Dicas

 

Etiquetas: , ,

Cervejas e sobremesas: união que pode surpreender até os mais desconfiados

Há quem ainda estranhe a ideia o casamento de sobremesas com cervejas. Mas, acredite, essa combinação pode surpreender até os mais desavisados e incrédulos. Os diferentes estilos da bebida apresentam elementos capazes de harmonizar com todas as variações de sobremesa. Sim! Todas, sem exceção. Parece pretensão, mas não é.

  • Divulgação

Para melhor entender e desfrutar dessas inusitadas combinações, antes de qualquer coisa, pense que harmonização não é nada difícil: basta manter a sensibilidade aguçada e aplicar os conhecimentos intuitivos e as experiências familiares que trazemos desde a infância.

Isto fica claro quando se pensa, por exemplo, no bolo de chocolate ao lado de um bom café. Bom, não? Imagine, então, substituir o cafezinho por uma cerveja do estilo Robust Porter, como a inglesa Meantime London Porter (6,5%, 750 ml, R$ 46,50, no Clube do Malte,www.clubedomalte.com.br); ou ainda com uma do estilo Imperial Stout, como o rótulo brasileiro Bierland Imperial Stout (7%, 600 ml, R$ 13,90, na Puro Malte, www.puromalte.com.br). Esses estilos apresentam em suas receitas maltes de elevadas intensidades de torrefação, que se revelam em inconfundíveis aromas de café, chocolate e caramelo. Na boca, a doçura do bolo e o amargor da cerveja se misturam e se atenuam. Por intuição e familiaridade, é fácil concordar que a combinação funciona.

Imagine agora o mesmo bolo de chocolate acompanhado de frutas vermelhas. Bom também? Mas, aqui, há um detalhe: as frutas vermelhas não estão presentes no bolo e, sim, na cerveja do estilo Fruit Lambic, como a belga Mort Subite Framboise (veja ficha técnica abaixo). É fechar os olhos, depois de uma bocada e um gole, e criar na boca a poderosa ilusão de estar comendo um bolo Floresta Negra- aquela receita clássica dos aniversários com chocolate e cereja. De maneira redisposta, a taça traz o perfume e a acidez característicos das frutas vermelhas, enquanto o prato oferece a cremosidade e a doçura do bolo de chocolate.

Para sobremesas à base de frutas, alguns outros estilos: a cerveja nacional Wit, da Wäls Witte (5%, 600 ml, R$ 13,90, na Puro Malte, www.puromalte.com.br), acompanha muito bem doces elaborados com laranjas; Weizen (ou também denominado Weiss), da paulista Bamberg Weizen (5%, 600 ml, R$ 11,90, na Beer Online, www.beeronline.com.br), combina com sobremesas de maçã; e Dunkelweizen, da alemã Paulaner Hefe-Weissbier Dunkel (5,3%, 500 ml, R$ 9,29, na Cerveja Store, www.cervejastore.com.br), é par dos doces com banana – as notas tostadas da cerveja, lembrando toffee-caramelo, são as mesmas encontradas quando esta fruta é flambada.

Depois de provar ao menos um desses duetos, desafio: será possível pensar nas cervejas da mesma maneira que antes?

::FICHA TÉCNICA::
Mort Subite Framboise
Produzida através de fermentação espontânea, essa variação recebe framboesas maceradas durante lenta maturação em barris de madeira. Apresenta cor e aromas inebriantes de framboesa em acidez assertiva de final de boca. Idealmente servida em taça flûte e acompanhada de queijos de casca branca- como Brie e Camembert; e sobremesas à base de chocolate meio amargo ou branco. Com essa cena romântica armada, o encontro à luz de velas só estará começando!

País: Bélgica
Teor alcoólico:4,3%
Volume: 250 ml
Preço: R$ 15,90
Estilo:Fruit Lambic
Onde encontrar: www.beer4u.com.br

 
 

Etiquetas:

Churrasco na Pressão (com cerveja, lógico)

Chama-se: A pressão do Churrasco

Churrasco na grela

Nem sempre, pressão também serve ;)

Créditos: DW DW

Como assim? Todos nós sabemos que churrasco tem que ter carvão, fogo, sujeira, grelha e muito, MUITO tempo e disposição, certo?

Não caro carnívoro. Devidos inúmeros pedidos de pessoas que não tem como ter nenhum tipo de churrasqueira em casa, eu pesquisei e arrumei um jeito de fazer churrasco sem churrasqueira. Rá, agora o bagulho ficou serio!

Sim cara, na PANELA DE PRESSÃO!

Ih, esse cara ta maluco.

Sei que você pensou isso, mas não, não estou, fica um luxo esse nosso churrasquinho de panela.

Partiu cozinhar?

Alumínio na Panela de Pressão

Primeiro vamos precisar de carvão vegetal (uns seis pedaços), papel alumínio e as carnes que você gosta (eu fiz com picanha e lingüiça de boa qualidade).

Carvão alumínio

Abra uns dois retângulos grandes de papel alumínio, ponha os pedaços de carvão e faça tipo um travesseiro (dica: ponha ervas como, tomilho, alecrim, manjerona junto com o carvão, fazendo um mix de ervas). Depois disso, forre o fundo da sua panela de pressão com esse travesseiro.

Vamos pra Carne

Picanha temperada

Corte um pedaço grande de picanha (uns 15, 20 cm e passe sal GROSSO. Pode passar bastante dos dois lados), coloque em cima do travesseiro de carvão, mas não encoste nas bordas da panela, deixe pelo menos um dedo das bordas.

Panela cheia

Em seguida ponha as linguiças, aí sim encostando nas bordas da panela, no vão entre a panela e o pedaço de carne.

E o espaço que sobrou?

Batatas ervas em palitos

Ainda sobra espaço, certo? Então, eu fiz uns espetinhos de batata com azeite e ervas e coloquei em cima das carnes, linguiça e picanha.

Nós sempre aconselhamos usar carne de boi com linguiças, porque frango tem tempo de cozimento diferente. Mas sempre use as linguiças, independentemente  da carne, boi ou frango.

Carne acomodadas, vamos continuar?

Panela de pressão cheia batatas

Pronto! Já acomodou as carnes na panela? Agora é só fechar a panela. Exatamente, sem nada de líquido mesmo! Ponha no fogão, quando começar a chiar a panela conte 17min para mal passado, 20min para ficar ao ponto e 23 min para ficar bem passado. Abra a panela imediatamente com muito cuidado amigos.

Já com o frango é a mesma coisa, escolha pedaços mais suculentos como sobrecoxa ou coxa, pois eles tem mais sabor e ficam molhadinhos (ui). Só que o tempo de cozimento é de cerca de 25min a 28min.

Picanha pronta

Já com a carne de boi você pode variar entre alcatra, porque ela tem menos gordura ou contra-filé, que possui mais gordura.

Obs

Gente, deixando claro que essa receita nunca vai substituir o bom e velho churrasco, mas vale a pena você conhecer e fazer essa receita, pois fica muito saboroso.

Agora vamos comer bebendo o quê?

Cerveja Exterminador de Trigo e Eisenbahn Pale Ale

Eu gostei muito da Exterminador de Trigo da Três Lobos, feita com Capim Limão. É bem ousado, pois é uma cerveja de trigo, portanto não combina tanto com carnes como a de boi, mas com a combinação de ervas na preparação fica uma combinação diferente. A Eisenbahn Pale Ale também fica boa na combinação.

Fonte: http://www.papodebar.com/churrasco-na-pressao/?fb_action_ids=4616630423521&fb_action_types=og.likes&fb_source=aggregation&fb_aggregation_id=288381481237582

 
1 Comentário

Publicado por em 28/09/2012 em Artigos, Curiosidade, Degustando, Dicas

 

Etiquetas:

O que a sua cerveja preferida diz sobre você?

Fonte: http://www.bebendobem.com.br/2012/08/o-que-a-sua-cerveja-preferida-diz-sobre-voce/

 

 
2 Comentários

Publicado por em 14/09/2012 em Artesanais, Artigos, Curiosidade, Degustando, Dicas

 

Preferência nacional, Pilsen é a principal porta de entrada para o mundo da cerveja

  •  

    A Pilsen domina 98% do mercado de cerveja no BrasilA Pilsen domina 98% do mercado de cerveja no Brasil

A paixão do brasileiro por cervejas dispensa explicações. É a bebida que transita por todos os nichos e vai da mesa de bar às grandes comemorações. Se há dúvidas de sua veia democrática, os números ajudam a comprovação: ela é dona da gorda fatia de 90% do mercado de bebidas alcoólicas no país, segundo a ABRABE-Associação Brasileira de Bebidas. Destilados, vinhos, cachaça e demais bebidas, dividem os 10% restantes.

Mas a cerveja vive um novo cenário no Brasil. Tal como grande parte do planeta, o país festeja o boom das cervejas especiais, um mundo particular que vai muito além da velha conhecida dos brasileiros -a loira gelada, suave e de espuma abundante. Esta, denominada tecnicamente de Pilsen, foi criada em 1842, na região tcheca de nome homônimo e que batizou o estilo. Ela domina 60% do mercado de cervejas e chopes produzidos no mundo – no Brasil, ela ocupa 98%.

Muitas são as denominações para ela: Pilsener, Pilsen, Pils -este adotado pelos padrões internacionais. Um breve mergulho no mundo da cerveja revela: Pilsen é um tipo da bebida de baixo teor alcoólico (3 a 5%) que pertence ao estilo das Lagers, cerveja dourada, filtrada e fermentada em baixa temperatura (por volta de 12 graus). A família ainda engloba a Marzen, Bock, Festbier Helles, Budweis, Schwarzbier, Dortmunds e Dunkel.  Essa última, é escura e destoa do padrão de quase toda Lager.

Disputa nas prateleiras
E em tempos de vocabulário cervejeiro extenso, é normal que ele deixe muitos consumidores em dúvida diante de tanta oferta no mercado. Afinal, disputam nas prateleiras, lado a lado, grandes rótulos importados e boas sugestões de jovens microcervejarias nacionais.

Aos que começam a se aventurar nesse universo, vale uma regra básica: “Comece com as mais simples e menos alcoólicas. E, aos poucos, parta para as mais complexas”, aconselha Luiz Caropreso, sommelier de cervejas do Melograno, bar e empório especializado em São Paulo e professor do curso de Sommelier de Cervejas do SENAC-SP.

O especialista ajuda entender o que é essa complexidade: são características que dão personalidade à cerveja, tais como notas frutadas, florais e de especiarias. “Paras os iniciantes, sugiro mesmo as cervejas do estilo Pilsen, que possui subtipos como as Bohemian Pilsener ou German Pilsener, que são cervejas mais refrescantes”, indica.

Ele explica que em um segundo momento, dá para partir para o estilo Weissen, que leva trigo na composição, tem baixo teor de álcool e traz notas de cravo e de frutas – normalmente banana. O próximo passo pede estilos mais elaborados, complexos e mais alcoólicos e nesse quesito, a ordem sugerida pelo sommelier é Bock, Bock Weissen, ESP, Pale Ale, Stout, as Belgian e Lambics.